Marketing

Divulgue sua marca gastando pouco e aparecendo muito

megaphone-50092_640

A internet é um dos mais baratos e mais eficientes meios para divulgar serviços ou produtos de uma empresa. Com preços acessíveis ao bolso e a possibilidade de poder segmentar o público que quer atingir, dá para escolher entre as plataformas mais consolidadas, como Facebook, até as que estão começando a emplacar, como o Waze.

Para ajudá-lo na empreitada de escolher a plataforma certa para impactar seus clientes, a Revista W preparou um minidossiê sobre quatro frentes que está bombando hoje no universo on-line. Acompanhe a reportagem e descubra tudo sobre elas a seguir:

1. Facebook

Muito além de perfis e fanpages, o Facebook possui um sistema de links patrocinados que serve como propaganda dentro da plataforma. Chamado Facebook ADS, por meio dele é possível promover uma publicação, uma página ou um evento na rede social, bem como sites, aplicativos e promoções. “É a mídia mais madura que usamos hoje, pois supre a demanda de marcas grandes e pequenas”, diz Roberto Cassano, diretor de estratégia da Agência Frog. A empresa atua com redes sociais desde 2008 e tem clientes como Oi, Globosat e Mobil.

Para direcionar bem sua campanha, você pode escolher as mais diferentes preferências, como estados do Brasil, idade, sexo, interesses, entre outros. “Pelas pessoas serem bem abertas e registrarem quase tudo em seus perfis, o Facebook sabe as preferências e gostos dos usuários e, com isso, consegue segmentar bem o público que cada publicidade deve atingir”, afirma Leonardo Munhoz, executivo de atendimento da WebSnap. A agência, que gerencia redes sociais desde a época do Orkut, trabalha para Rally dos Sertões, Restaurante Hannover e Auto Shopping Cristal.

O mais legal do Facebook ADS é que dá para determinar quanto você quer gastar. “Basta cadastrar um cartão de crédito e destinar os recursos que quiser: R$ 10, R$ 100, R$ 1.000, até R$ 10.000. Se levarmos em conta que quase 90 milhões de brasileiros usam e abusam do Facebook, o céu é o limite”, brinca Cassano. Se você ainda não bota fé, um salão de cabeleireiro especializado em “Dia de Noiva” e cliente de Munhoz está investindo R$ 500 mensais. “Eles não possuíam página na rede, mas hoje contam com mais de 15 mil curtidas”, diz.

2. Twitter

O Twitter e seus 140 caracteres são forte presença no cenário digital quando o assunto é interação e agilidade na informação. Grande tendência entre as celebridades, o maior público atraído para essa rede social são jovens adultos que sentem vontade de consumir o dia a dia dos seus ídolos. Porém, empresas com grande fluxo de matérias, como os portais de notícias e blogs, também possuem um bom espaço na mídia.

Identificado pelo simpático passarinho azul, para anunciar na plataforma não é necessário desembolsar muito. Basta investir, no mínimo, R$ 10 por dia. Na prática, a ferramenta funciona como o Facebook: ela encontra os usuários que mais têm o perfil de sua marca e publica o anúncio na timeline deles. “Muito além, as empresas enxergaram não só a possibilidade de divulgar seus produtos e serviços nesta rede, mas também de manter contato direto com o cliente”, diz Thiago Regis, diretor de arte e novos negócios da agência Pílula Criativa. A empresa monitora as redes sociais de marcas como Land Rover, Chrysler, Mini Cooper, BMW e Mercedes-Benz.

Como Regis aponta, por meio do Twitter, é possível criar um vínculo com seu público-alvo. Além de servir como uma central de atendimento e ajudar na solução de problemas e dúvidas, essa mídia é bem jovial e permite brincadeiras, o que acaba estreitando a empatia com sua marca. “Procure interagir com os clientes e com outras contas em vez de apenas tentar vender o seu produto”, aconselha o diretor de arte e novos negócios. Se precisar de exemplos, inspire-se em perfis como o do Ponto Frio e do Netflix, que sabem interagir bem com seus seguidores.

3. Google AdWords

A campanha de links patrocinados do Google promete fazer com que sua empresa seja vista por muitos gastando pouco. Embora seja uma plataforma pay-per-use, em que qualquer pessoa pode criar uma conta, decidir quanto quer investir e desenvolver uma propaganda sozinha, não é aconselhável usá-lo por conta própria. “A criação dos anúncios depende de um profissional que saiba reconhecer oportunidades e inventar chamadas atrativas”, garante Vinicius Faria, CEO da agência especializada em redes sociais i9 Social Media.

“O AdWords é um grande leilão de palavras-chave, existem regras e truques que precisam ser seguidos para aproveitar melhor a verba investida e ter bons resultados”, diz André de Alencar, head de estratégia digital da B-Young Social Media, que trabalha há seis anos com redes sociais e cuida de contas como Hello Kitty, Fox-Sony e British Telecom. “Recomendo que as empresas sempre consultem um especialista na plataforma, pois isso pode poupar algumas centenas de reais.”

De acordo com Munhoz, o investimento mínimo diário gira entre R$ 40, para quem usa o pré-pagamento, e R$ 50, para boleto bancário. Com relação ao retorno, pode-se ter uma visão do desempenho após 24 horas. “Por isso ressalto novamente que é importante o acompanhamento de um especialista. Depois de verificar o feedback, ele consegue fazer a leitura dos dados e tomar as providências necessárias para otimizar a campanha, abaixar os custos e melhorar as conversões”, alega Alencar.

Ficou claro que o AdWords é barato, mas se você ainda está em dúvida sobre o público atingido, pegue como exemplo a estatística que diz que o Google domina quase 90% do mercado de buscas no Brasil. “É óbvio que este cenário é satisfatório para quem faz campanhas na plataforma, pois os anúncios são exibidos no momento exato em que um usuário está realizando uma pesquisa no site”, afirma Regis.

4. Waze

Se você já usou o Waze, sabe que, quando sua rota passa perto de algum serviço, pipoca na tela do aplicativo de GPS um marcador no local com publicidade do estabelecimento. “Eles usam um sistema de ‘pino’, no qual é possível criar um anúncio que inclui logotipo, imagem ou ícone e uma breve descrição sobre seu negócio”, explica Regis. Pode ser restaurante, bar, padaria, shopping, loja de roupa, posto de gasolina… São infinitos os tipos de comércio encontrados para convencer você a dar uma esticadinha no seu trajeto.

Com propaganda acessível para grandes e pequenas empresas, o app possui mais de 50 milhões de usuários espalhados pelo mundo. Os dados oficiais também mostram que o Brasil é um dos seus cinco principais países (junto com Estados Unidos, França, México e Reino Unido). Para investir, você terá que desembolsar o valor mínimo mensal de US$ 50, sendo que dá para criar a campanha on-line sozinho e definir o raio de atuação. Vale ressaltar também é fácil de administrar e não será necessário contar com a ajuda de um especialista.

“O melhor de tudo é que existe uma mensuração total sobre quantos ‘wazers’ navegaram em seu negócio”, diz Regis. Sim, praticamente em tempo real, poucas horas depois de começar a rodar a publicidade, é possível ver como anda o desempenho dela. “Também é importante, no caso deste aplicativo, criar mecânicas promocionais no estabelecimento para cruzar as conversões e entender realmente o retorno que a publicidade no Waze traz para você”, aconselha Alencar.

Comente