E-commerce

Mandaê facilita envio de mercadorias

Mandaê-810x324

Startup cobra o mesmo valor dos Correios, mas aposta em um cardápio de serviços diferenciados

Karim Hardane e Marcelo Fujimoto tiveram a ideia de montar a startup depois de enfrentar problemas com logística ao administrar um e-commerce

Sócios em um e-commerce especializado em roupas infantis, Karim Hardane e Marcelo Fujimoto não aguentavam mais arrancar os cabelos. Todas as vezes que tinham de embalar e enviar mercadorias para seus clientes, as dificuldades de logística eram imensas. O processo era tão dispendioso que, além de consumir boa parte do tempo deles, acabava afetando diretamente a produtividade e impedindo o bom andamento do site.

Para superar o problema enfrentado diariamente e tornar o processo de envio algo mais agradável, Hardane e Fujimoto decidiram resolver o impasse da maneira deles. Foi assim que surgiu a Mandaê, empresa de fretes que oferece serviços desenvolvidos para facilitar a vida de quem precisa enviar mercadorias para clientes. Hoje, a startup tem como público-alvo empresas e lojas de comércio eletrônico de pequeno porte, além de pessoas que vendem grandes volumes de produtos online via MercadoLivre e Enjoei, por exemplo. Remessas comuns realizadas por pessoas físicas também são contempladas pela Mandaê.

Para colocar a ideia em prática e se consolidar no mercado, Hardane e Fujimoto não se fizeram de rogados e foram ao mercado. Apresentaram o projeto para investidores-anjos, e não tardou para o apoio aparecer. O primeiro rendeu um total de US$ 200 mil, sendo US$ 150 mil por conta do fundo de investimentos Kima Ventures e o restante das mãos de Hans Hickler, ex-CEO da DHL Express e fundador da Ellipsis Advisors, grupo que oferece serviços de treinamento e consultoria para CEOs e executivos. Depois, novos investidores apostaram na Mandaê, que atualmente conta com mais de mil clientes e acumula um número superior a 32 mil remessas enviadas.

Longe de estar satisfeita, a empresa pretende crescer ainda mais em 2015. Para isso, prepara novos investimentos, sobretudo na expansão da sua área de alcance. Atualmente, a startup atende apenas a região metropolitana de São Paulo (SP). A meta é alcançar Rio de Janeiro (RJ) e Belo Horizonte (MG) até o final do ano.

Como funciona

Para se destacar no mercado, a Mandaê apostou em uma metodologia diferente de trabalho em relação a empresas concorrentes, a começar pelo acesso a seus serviços. O processo deixa de lado tarefas burocráticas e se desenrola totalmente em ambiente digital, com o cliente se cadastrando no site www.mandae.com.br ou baixando o app da empresa, que está disponível para smartphones com sistemas iOS e Android. Depois disso, basta que o usuário tire uma foto do produto por meio do aplicativo. Não é necessário perder tempo medindo e enviando as dimensões da mercadoria, já que a equipe da Mandaê se baseia na imagem para escolher o melhor tipo de transporte. Em cerca de uma hora, um dos colaboradores da startup aparece para retirar a encomenda, que é levada diretamente para a sede da Mandaê.

O próximo passo é a embalagem do item. “É aqui que conquistamos a maioria dos clientes, já que não cobramos pelas caixas nem pelo material de proteção, ao contrário dos concorrentes”, conta Jacqueline Freitas Alves, community manager da Mandaê. A empresa adota materiais como isopor, plástico bolha ou espuma para reforçar os pacotes e garantir que as mercadorias mais frágeis cheguem ao destino sem maiores problemas. “Mesmo assim, não acrescentamos valores ao preço da entrega, o que nos torna mais competitivos no mercado”, diz Jacqueline.

Depois que os produtos já estão devidamente embalados, é hora de enviá-los para os Correios ou transportadoras parceiras. Jacqueline explica que os Correios são responsáveis por 96% das entregas, mas os clientes ficam livres para definir e indicar qual tipo de transportadora preferem adotar. “Se o processo for solicitado até 14h, a mercadoria é postada no mesmo dia. Afinal, ganhar tempo é o fator fundamental do processo de logística”, conta a gerente da Mandaê.

No final do processo, os valores cobrados pela startup são os mesmos dos balcões dos Correios. Apenas uma taxa de R$ 10 é acrescida pela retirada do produto. Entretanto, esse valor é abonado caso o usuário opte por enviar dois ou mais itens, a não ser que os envios sejam provenientes de vendas realizadas em sites específicos de compras, como o MercadoLivre.

Além de solicitar a coleta por meio do aplicativo, os usuários cadastrados podem pedir as retiradas pelo site. “O app é prático e está preparado para todos os serviços. Sugerimos apenas às companhias que enviam grandes quantidades de produtos realizarem o processo pelo site, pois o sistema, nesse caso, é mais prático”, explica Jacqueline. Atualmente, as empresas representam 60% dos clientes que usam o serviço da Mandaê.

As restrições de itens que não podem ser enviados por meio dos serviços da startup é a mesma adotada pelos Correios. Nada de armas de fogo, materiais perigosos, derivados do tabaco ou ilegais. Bebidas alcoólicas podem são ser aceitas dependendo do destino e da natureza da operação. De resto, tudo está liberado.

De onde vem o lucro

Ao analisar de forma superficial os serviços da Mandaê, fica difícil entender como a empresa consegue cobrar o mesmo valor dos Correios, abonar taxas e ainda ter lucro. Não à toa, essa questão se espalhou pela internet entre os usuários da startup e fez com que ela publicasse uma explicação no site oficial.

As atividades da empresa são baseadas em acordos com transportadoras parceiras. A grande quantidade de envios faz com que a startup receba descontos significativos, que podem chegar até a 70%.

Para não ficar nenhuma dúvida, o blog da Mandaê (www.mandae.com.br/blog) apresenta um exemplo para que os usuários entendam como o modelo de negócios funciona. Os dados revelam que, se uma mercadoria custa R$ 20 para ser enviada diretamente no balcão dos Correios, a startup paga de R$ 6 a R$ 7 pelo mesmo processo. Pois é, as oportunidades estão por toda parte. Basta enxergá-las e explorá-las de forma consistente para chegar lá.

 

Comente