E-commerce Entrevistas

Dicas para crescer no e-commerce em 2016

IMG_5231_201561218350

A perspectiva de crescimento do e-commerce brasileiro para o final de 2015 era de 15%. A projeção da E-bit, empresa que avalia a satisfação de consumidores on-line, também alega que o setor venderia um total de R$ 40 bilhões. Com um cenário promissor e que promete continuar em expansão mesmo em meio à crise, quem quer se aventurar pelo comércio eletrônico precisa saber como investir para alcançar o sucesso.

Em entrevista, Robson Del Fiol, CEO da empresa especializada em marketing na web ESV Digital, deu conselhos a quem pretende expandir sua marca no segmento. Confira!

Hoje, o Brasil é apenas o 21º país no ranking global de vendas on-line. Ao que se deve essa colocação?
Robson Del Fiol: A participação do e-commerce no varejo brasileiro como um todo ainda é pequena, com apenas 3% de seu faturamento, contra quase 8% dos principais centros globais. Estamos dois anos atrasados em relação ao desempenho dos Estados Unidos e Europa.

Mesmo com o atual cenário de crise, os e-commerces conseguirão crescer em 2016?
RDF: Em 2016 devemos continuar em um cenário de incertezas econômicas, o que cria dificuldades para a expansão dos e-commerces e exigirá maior valor agregado e prestação de serviços diferenciados para ganhar destaque. Mas sim, é possível.

O que deve ser feito para aumentar as vendas on-line, então?
RDF: Melhorias em logística, entrega de novos benefícios para os consumidores e investimentos em trade marketing – essencialmente a inserção de publicidade nos sites de venda.

Na prática, em que se traduzem estas ações?
RDF: Garantia estendida, instalação e configuração grátis, milhas extras nas compras, assim como facilidades de pagamento, por exemplo, com cartões private label. Mas estas são apenas ideias e o caminho para crescer está aberto a inovações.

Você também mencionou o trade marketing. Como essa prática pode auxiliar os e-commerces?
RDF: A renda ganha com anúncios pode ajudar a diminuir os custos de operação e essa troca de espaços de propaganda entre e-commerces de setores diferentes permite ainda aumentar o mix de produtos oferecidos.

Em termos de logística, de que maneira os e-commerces podem otimizar seu desempenho?
RDF: É possível fazer isso em diversas áreas, sendo indispensável uma melhor integração em toda a cadeia de valor. Há o exemplo do cross docking, em que varejos virtuais compram transportadoras ou fazem parcerias para enviar os produtos ao consumidor direto dos centros de distribuição dos fabricantes, diminuindo, assim, o tempo de entrega.

Comente