Opinião

Etapa 1: Muito prazer, Google Search Appliance

GSA 2

Conheça o buscador corporativo que traz eficiência e rapidez do Google para dentro das empresas

Na era da Internet, basta dar um “google” para encontrar qualquer tipo de informação em segundos. A gigante da web virou líder no segmento – apenas no Brasil mais de 85% das pessoas utilizam o buscador em seus computadores pessoais, de acordo com dados da Hitwise – por sua eficiência e rapidez em trazer resultados relevantes a partir de palavras-chave digitadas pelos usuários.

O Google não para de evoluir: o algoritmo passa por mais de 500 atualizações por ano e suporta 100 bilhões de pesquisas todo o mês. Com esse conhecimento e eficiência, foi natural o lançamento do buscador na versão corporativa, o Google Search Appliance (GSA).

O sistema de busca para empresas possui a mesma lógica da página na Internet: trazendo em poucos segundos dados relevantes digitados pelos colaboradores. A diferença é que, nesse caso, o equipamento mostra os documentos presentes nos sistemas de armazenamentos (como arquivos da rede, CRM, ERP e páginas da intranet) que contém as palavras-chave ao invés de trazer páginas da web (veja como funciona o processo no infográfico abaixo).

O Google encapsulou sua lógica no GSA. Basicamente, é um aparelho de procura, mas que traz informações relevantes e universais e pode ser acessado por qualquer dispositivo que tenha conexão HTTP ao GSA”, confirma Marcos Farias, diretor da Just Digital, primeira empresa brasileira responsável por integrar o produto no mercado nacional.

O GSA possui duas versões: o G100, capaz de indexar e mostrar resultados de até 20 milhões de documentos, e o G500, mais potente e que indexa até 100 milhões de documentos de qualquer sistema. Mas a limitação é apenas por máquina. Assim, a companhia pode adquirir mais equipamentos e colocá-los para trabalhar em conjunto, como, por exemplo, se forem usados dois G100, o número sobe para 40 milhões de arquivos de diferentes formatos.

Ele também é interligado através dos chamados conectores a qualquer plataforma que armazene diferentes tipos de dados. Alguns estão incluídos no próprio appliance, como o Microsoft SharePoint; outros possuem conectores sob medida, como CRM; e há parcerias que possibilitam o suporte a outros sistemas.

Sua missão é melhorar a produtividade das corporações. Com a tecnologia, o profissional não perde tempo buscando a informação que precisa e, em segundos, tem o conteúdo que precisa em suas mãos. “Muitas empresas não mensuram as perdas financeiras que têm com os funcionários gastando parte significativa de seus dias na procura de dados relevantes”, resume Farias. E este é o grande desafio atualmente enfrentado pelo GSA no mundo corporativo. Veremos mais sobre isso na segunda etapa desta webserie.

 GSA

Do usuário ao corporativo

A criação do GSA segue uma tendência conhecida no ambiente virtual. Todas as novidades são pensadas para o usuário e depois aperfeiçoadas para a rotina das corporações, com especificações voltadas à cada segmento. É o exemplo da computação em nuvem. Desenvolvido inicialmente para o ambiente pessoal, a solução cresceu e começa a ganhar corpo no ambiente empresarial.

No caso da busca corporativa, mesmo dentro da companhia, os resultados são moldados de acordo com o perfil e o histórico dos colaboradores. Se determinado resultado é acessado várias vezes durante um período de tempo, sua posição será cada vez mais alta – da mesma forma que acontece na página do Google.

Funcionalidades

  • Navegação dinâmica: a plataforma traz os principais temas buscados para a área específica.

  • Busca universal: o usuário pode filtrar a busca pelo sistema de origem.

  • Resultados adicionados pelo usuário: a pessoa pode colocar algum resultado em posição de destaque para as buscas de outros colaboradores (como se fossem os Links Patrocinados que vemos no Google.com).

  • Busca por especialistas: a plataforma pode integrar o perfil de todos os colaboradores da empresa e mostrar dados de contato.

  • Pré-visualização de documentos: ao passar o cursor em cima do link a pessoa consegue visualizar as primeiras páginas do documento e certificar-se que encontrou o que procura antes de clicar no link e sair da página de resultados.

  • Sugestão de pesquisas: função semelhante ao buscador da Internet e autocompleta a digitação. Conforme o usuário digita algumas letras, o próprio sistema sugere pesquisas mais frequentes.

  • Google Tradutor: com o serviço na nuvem e integrado à plataforma, os resultados podem ser traduzidos para vários idiomas.

  • Verificador ortográfico: o sistema corrige erros de digitação e possibilita uma busca mais eficiente. É o famoso “Você quis dizer…?”, que vemos no Google, dentro da sua corporação.

  • Link Promovido: semelhante ao link patrocinado – a companhia pode colocar alguns links para promover campanhas de marketing, por exemplo.

  • Consultas relacionadas: ao digitar um termo mais amplo, o sistema dá opções para refinar a busca. É o equivalente do “Você também pode tentar…” que vemos no buscador comum.

  • Uso de sinônimos: o GSA também busca sinônimos dos termos pesquisados para que a pesquisa seja mais efetiva. Exemplo: busca por SP pode trazer também os conteúdos contendo São Paulo mesmo que neles não exista a sigla SP.

  • Onebox: recurso que permite integrar no campo de pesquisa qualquer informação interligada aos sistemas da empresa e que possuam um caráter mais volátil, como cotações de moedas, previsão do tempo, voos, entre outos. Tente pesquisar por “1USD to BRL” ou “weather for Rio de Janeiro” na página em inglês do Google.

• Leia as principais notícias de tecnologia

• Entrevistas com os principais especialistas da web

• A opinião sobre os assuntos do momento na internet

Comente