Startup

FazINOVA: startup oferece cursos focados em inovação

belpesce

Bel Pesce é um dos maiores símbolos de empreendedores brasileiros. Ela é conhecida por seus livros e pelo desenvolvimento de cinco startups no Vale do Silício. A empresária, inclusive, ganhou o prêmio Cartier Women’s Initiative Award 2014 com a FazINOVA, sua startup mais nova. A empresa brasileira oferece cursos para auxiliar e compartilhar conhecimentos sobre empreendedorismo.

Com 26 anos de idade, a trajetória de Bel já inclui cinco diplomas do Massachusetts Institute of Technology (MIT), passagem por empresas como Google e Microsoft, e quatro livros publicados. Além de ser considerada uma das “100 pessoas mais influentes do Brasil” pela Revista Época, Bel também faz parte da lista dos “30 jovens mais promissores do Brasil”, segundo a Revista Forbes.

Como foi até aqui
Antes de falar sobre a FazINOVA, é importante contar a trajetória da empreendedora. A história de como Bel Pesce foi parar no MIT é um tanto maluca. O processo de avaliação era complexo e muito seletivo. Além disso, ela tinha perdido a data de inscrição para realizar a prova e a entrevista com um ex-aluno do instituto. Mas, como ressalta em suas palestras, insistiu em “transformar o não em sim”. O primeiro passo foi achar o endereço de um ex-aluno do MIT. Já que não sabia do que se tratavam as entrevistas, colocou suas informações pessoais e conquistas em uma caixa de papelão e foi bater na porta dele. Deu certo.

Depois disso, ela apareceu no dia da prova e implorou para fazer o exame. A resposta foi não. Os testes vinham contados dos Estados Unidos. Portanto, só havia uma cópia para cada inscrito. Mesmo assim, ela se recusou a aceitar e decidiu esperar na porta. Uma pessoa faltou no exame e Bel conseguiu fazer a prova no lugar dela.

A carta de admissão finalmente chegou. No mesmo dia, outro problema surgiu: como pagar o MIT? Assim que soube que havia passado, Bel foi ao Colégio Etapa, onde estudava, conversar com o diretor e pedir para trabalhar na instituição de ensino. Ela não queria que os pais se tornassem reféns de empréstimos para bancar seus estudos.

Quando chegou ao MIT, cursou engenharia elétrica e ciências da computação. Depois, resolveu estudar matemática. Enquanto isso, ela trabalhava em empresas como Google e Microsoft para colocar em prática o que aprendia. Ela também fez parte de projetos do MIT Media Lab e participou do MIT Gordon Engineers (programa sobre liderança).

Apaixonada por negócios, ela decidiu cursar administração. Durante o curso, trabalhou em Wall Street, no Deutsche Bank. Depois disso, ainda queria entender mais sobre empresas, e começou a graduação em Economia.

A paixão
Quando participou da MIT $100K Entrepreneurship Competition, uma competição de planos de negócio, Bel percebeu que o empreendedorismo era sua verdadeira paixão.

O primeiro projeto, criado com amigos, foi o MeshPhone. A tecnologia buscava aumentar a cobertura de celulares nas áreas rurais da África. O celular tinha uma antena com alcance de 15 quilômetros, permitia chamadas gratuitas e funcionava como uma espécie de roteador. Se uma pessoa com o mesmo sistema de celular estivesse a 15 km de você, ainda seria possível falar com outra pessoa que estivesse 15 km longe dela, e assim por diante.

Depois de se formar, a brasileira entrou para um programa de mestrado parceria entre Google e MIT. Lá conheceu três amigos, e juntos criaram a companhia Ooyala. Quando saiu da empresa o quadro de funcionários já passava de 200 pessoas. Ainda enquanto cursava o mestrado, ela desenvolveu o organizador de tarefas chamado Tisk-Task.

Bel queria se dedicar para ver uma empresa crescer desde o primeiro dia. Foi assim que, ao lado de mais dois empreendedores, a Lemon surgiu. Lançado em 2011, trata-se de um aplicativo que ajuda o usuário a controlar suas finanças. Ele funciona como uma réplica digital da sua carteira.

Com a intenção de compartilhar seus conhecimentos sobre empreendedorismo, ela lançou digitalmente seu primeiro livro “A Menina do Vale”. Foram mais de um milhão de downloads. Posteriormente, Bel também lançou os livros “Procuram-se Super Heróis”, “A Menina do Vale 2” e “A Sua Melhor Versão Te Leva Além”.

Startup
Depois de passar sete anos nos Estados Unidos, Bel decidiu retornar ao Brasil. Ela fundou a FazINOVA com a intenção de trabalhar com as áreas de empreendedorismo e educação. A escola oferece cursos pagos e gratuitos e o interessado pode participar tanto presencialmente quanto virtualmente.

Bel explica que empreender é uma responsabilidade muito grande. Por isso, a FazINOVA busca compartilhar conceitos, habilidades comportamentais e ferramentas para sair na frente. A empresa se baseia em fazer acontecer. Com o compromisso de aprimorar atitudes empreendedoras no Brasil, valoriza a simplicidade e a inovação. Além disso, acredita que a diversidade é um ponto crucial, pois conecta talentos que se complementam.

Segundo Bel, a empresa já atingiu cerca de 5 milhões de pessoas, além dos projetos com números não mensuráveis. 2 mil alunos já passaram por cursos presenciais, e mais de 70 mil estão cursando as atividades on-line. “Meu grande sonho com a FazINOVA é alcançar um bilhão de pessoas nos próximos 15 ou 20 anos”, completa.

Ao falar das diferenças entre os países, Bel afirma que “não é o Brasil que é diferente dos Estados Unidos, é o Vale do Silício que é diferente do mundo todo”. Segundo ela, a parte estrutural e o modo de pensar são os fatores que mais precisam mudar o Brasil. As leis tributárias, a burocracia e a falta de incentivo após erros e tropeços, são os pontos que mais dificultam o empreendedorismo no País.

Como são os cursos
Qualquer pessoa pode participar dos cursos oferecidos pela FazINOVA. Os vídeos de algumas aulas são colocados no YouTube, o que torna o acesso mais simples e fácil. Os cursos são focados em três temas centrais: habilidades, inovação e empreendedorismo.

O Canvas de Modelo de Negócios é uma das opções gratuitas. A ferramenta ajuda o empreendedor a analisar todas as áreas de um negócio.

A Menina do Vale é outra opção para quem quer inovar. Os estudantes que optam por essas lições aprendem a potencializar conhecimentos e ideias inovadoras por meio de atitudes empreendedoras.

Alguns dos cursos visam aprimorar iniciativas de impacto social e relações humanas. É o caso do Papo do Bem e do Procuram-se Super-Heróis, que, assim como no livro, retrata como nossos poderes de comunicação podem ser usados para mudar vidas. As matérias são ideais para quem quer crescer na vida pessoal e profissional.

Quem busca entender mais sobre economia e capital, pode escolher o Investimento de Anjo. As aulas destacam as características que uma startup deve ter para encontrar um bom investidor, além de passar conhecimentos sobre como o processo funciona.

O The Founder Stories e o #FAIL são dedicados a qualquer tipo de público. O primeiro retrata a trajetória de empreendedores, desde a ideia inicial até o sucesso. O segundo, foca nos altos e baixos que as startups proporcionam, e ressalta que tropeços não são motivos para desistir de inovar. “Empreender é, por definição, arriscado”, ressalta Bel Pesce.

Iniciativas
Além de oferecer cursos, a FazINOVA também conta com vários projetos de iniciativa. O coworking é destinado aos novos empreendedores que ainda não tem um espaço para trabalhar em seus projetos. A empresa oferece planos para que esses novos empresários aluguem um espaço no escritório da FazINOVA. Não importa o tipo de ideia ou projeto, todos são bem-vindos.

O serviço de Coaching também é oferecido. A técnica tem como objetivo tirar o empreendedor de sua área de conforto. Perguntas são usadas para estimular a pessoa a atingir suas metas e clarear suas ideias. Além disso, vários eventos com empreendedores de sucesso são organizados todos os meses.

Embaixadores do bem
Os embaixadores, que estão espalhados por todo o Brasil, são responsáveis por divulgar os valores da FazINOVA. Eles também incentivam mudanças para melhorar o País, e participam de ações voluntárias.

O embaixador João Paulo Brilhante, de 18 anos, divulga os projetos da startup no Acre. “Qualquer pessoa que queira mudar o mundo pode ser embaixador FazINOVA. Basta entrar no site e responder um questionário para se inscrever”, explica o estudante.

Comente